Covid-19: Abelzinho sugere abono salarial para profissionais de saúde

15maio
image_pdfimage_print

O vereador Abel Franco Larini (PL), o Abelzinho, sugeriu ao prefeito a criação de um abono salarial para os servidores públicos da área de saúde. O valor será definido por ato do Poder Executivo e não poderá ser inferior a um salário mínimo. Se aprovado, o benefício incluirá todos os trabalhadores que participam direta ou indiretamente da recepção aos pacientes, incluindo remoções domiciliares, até a respectiva alta.

A proposta foi encaminhada à análise do prefeito, em formato de anteprojeto, por meio da indicação nº 4752/2020, aprovada na Sessão Ordinária de 11/5.

Abelzinho avalia o pagamento como “imprescindível”. “Estes servidores estão expostos aos riscos de contaminação da COVID-19, bem como a jornadas de extenuantes esforços físicos e psicológicos, sem qualquer possibilidade de cumprir a jornada em teletrabalho ou em horários alternados”, explicou no texto.

O parlamentar solicitou urgência ao prefeito na análise da propositura e pediu ao Poder Executivo que reencaminhe o projeto de Lei, “conforme a minuta apresentada”, para votação da Câmara Municipal o quanto antes. Isso é necessário, pois a competência de criar despesas deste tipo é exclusiva do prefeito.

“Estamos vendo a luta, a batalha, a garra e a força de vontade desses funcionários por todo o País no combate a esta pandemia que vem destruindo vidas e famílias. Vários municípios estão concedendo esse abono e acredito que o Poder Executivo aqui em Arujá deveria fazer justiça a estes trabalhadores e, sendo possível, garantir este pagamento a todos que estão na linha de frente em nossas unidades de saúde, trabalhando para salvar a vida dos arujaenses”, afirmou Abelzinho em pronunciamento feito na Tribuna em 11/5, reforçando seu pedido ao prefeito.

O abono seria pago durante todo o período de duração da pandemia.

Assessoria de Comunicação

imprensa@camaraaruja.sp.gov.br

silmara@camaraaruja.sp.gov.br

(11) 4652-7015

Texto: Silmara Helena

Fotos: Imprensa/CMA