Jardim Emília se ressente da falta de alternativa viária para o centro de Arujá

16jun
image_pdfimage_print

Moradores da região do Jardim Leika e Emília se ressentem da falta de uma alternativa viária que permita a ligação dos bairros com o centro de Arujá.  A reivindicação foi apresentada ao vereador Márcio José de Oliveira (PROS), o Dr. Márcio, durante audiência pública da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) 2016 realizada na Escola Municipal Profª Cecília Caraça Mineiro Coutinho na última sexta-feira (12/6). Dr. Márcio preside a Comissão de Fiscalização Financeira e Orçamentária da Casa, responsável pela análise das peças orçamentárias.

“Há 20 anos lutamos por este acesso”, disse a cabeleireira Eloísa Maria Santos, moradora há 36 anos do Jardim Emília. Segundo ela, o caso já foi parar no Ministério Público. O vereador Edvaldo de Oliveira Paula (PTB), o Castelo Alemão, que morou na região do Emília explicou que o acesso dos bairros  à área central foi fechado na ocasião da instalação da praça de pedágio na rodovia Presidente Dutra (BR 116).

Os problemas de mobilidade acarretam prejuízos, além da sensação de isolamento. “Por conta dessa situação pagamos tarifa de ônibus mais cara e, quando temos um caso de remoção com urgência, temos dificuldade em chegar ao hospital”,complementou Eloísa.

Moradores na audiência pública da região do Leika/Emília

Aliás, a falta de uma ambulância na Unidade Básica de Saúde também foi criticada pelos moradores – que tinham a expectativa de terem um Pronto-Atendimento na localidade.

A falta de segurança e a ocorrência de “arrastões”, como informado pelo técnico instalador Islael dos Santos Silva, também foram identificados como pontos críticos e preocupantes. “Aqui tem assalto toda semana”, confirma Uracy de Oliveira Sncades. “Constantemente, mulheres são abordadas a caminho do trabalho por usuários de drogas”, relatou a pedagoga Elisângela Gouvea Lima Soares. Uma base militar deveria funcionar no Jardim Emília. No entanto, apesar da desapropriação da área, o espaço está desativado.

Outro questionamento feito na audiência foi relativo ao impacto da ocupação das moradias da Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano (CDHU),  em fase de construção na Fazenda Albor – região do Jardim Emília. Quem mora na região afirma que escola, creche e UBS não têm condições de atender a demanda. Em visita ao empreendimento na manhã de terça-feira (16/6), o prefeito Abel José Larini (PR), acompanhado dos vereadores, afirmou que a prefeitura trabalha para “reduzir a zero” o impacto da vinda dos novos moradores.

Rodoanel 

Dr. Márcio durante audiência pública no Leika

Dr. Márcio defendeu a união dos moradores para sensibilizar o Executivo para o atendimento das necessidades dos bairros. Ele reconheceu as dificuldades dos moradores, inclusive, no que tange as obras de construção do trecho Leste do Rodoanel e se comprometeu a encaminhar as demandas e alterar a LDO para garantir a inclusão das prioridades da população na peça orçamentária. “Temos de unir esforços e buscar as respostas das autoridades competentes”, afirmou ao criticar  “a falta de vontade política para resolver os problemas”.

Debate

A situação do Jardim Emília foi pauta de debates na sessão legislativa desta segunda-feira (15/6). Lideranças da comunidade estiveram na Câmara para pedir a atuação dos parlamentares junto à SPMar e à CC Nova Dutra. As empresas estão fechando acessos e retirando pontos de ônibus das proximidades dos bairros, prejudicando, ainda mais a rotina dos moradores. O Legislativo se comprometeu a atuar em favor da comunidade.

 

 

 

 

 

 

Câmara de Arujá

Assessoria de Comunicação

4652-7015

imprensa@camaraaruja.sp.gov.br

Publicada em 16/06/2015