“Não mandei ninguém tirar madeira”, disse Ciro Dói

08jul
image_pdfimage_print
O secretário municipal de Serviços Ciro Dói refutou de forma veemente as afirmações de que teria negociado com uma empresa a execução do serviço de supressão de árvores da área pública localizada ao lado do Fórum de Arujá. A ação, autorizada pela Secretaria do Meio Ambiente, causou protesto de cidadãos e organizações não-governamentais e a convocação do responsável pela pasta, José Abílio Gouveia Teixeira, a prestar esclarecimentos à Câmara Municipal.

“Não mandei ninguém tirar madeira. Não participei de nada”, repetiu diversas vezes Ciro Dói ao ser questionado pelos vereadores sobre quais foram os procedimentos adotados pela Prefeitura para contratação da empresa. “Não estou acusando o secretário (José Abílio), mas não tomei conhecimento do processo. Tem de procurar o mandante”, sentenciou.

Ciro Dói foi convocado pelo Legislativo, por meio de requerimento de autoria do vereador Renato Bispo Caroba (PT), depois de o titular do  Meio Ambiente, José Abílio, declarar, em audiência com os vereadores, ter a Secretaria de Serviços viabilizado o acordo para a retirada das espécies. Na ocasião, José Abílio disse que sua ação se limitou à emissão de laudo técnico. Ele negou ter cometido crime ambiental ao autorizar o corte das árvores.

Diante da negativa do secretário de Serviços Ciro Dói, os vereadores Renato Caroba e Wilson Ferreira da Silva (PSB), o Dr.Wilson, defenderam a abertura de uma Comissão Especial de Inquérito (CEI) para apurar melhor os fatos. A medida já havia sido sugerida por Dr. Wilson. Os parlamentares não descartam a possibilidade de os secretários serem novamente convocados.

Também acompanharam a reunião, o presidente da Casa, Reynaldo Gregório Junior (PTB), o Reynaldinho, e os vereadores Sebastião Vieira de Lira (PSDC), o Paraíba Car, e Edvaldo Oliveira de Paula (PTB), o Castelo Alemão.

 

 

Câmara de Arujá

Assessoria de Comunicação

4652-7015

imprensa@camaraaruja.sp.gov.br

Publicada em 08/07/2015