Vereadores cobram providências para melhorar segurança pública

19dez
image_pdfimage_print

Os vereadores de Arujá não pouparam críticas ao governo estadual, ao comando da Polícia Militar do Estado de São Paulo e à Prefeitura diante da onda de furtos e assaltos que vem afligindo a população da cidade.

Moradores dos bairros Nova Arujá e Jardim Jordanópolis estiveram na sessão ordinária da última segunda-feira (15/12) para reivindicar apoio dos parlamentares na solução dos problemas de segurança pública.

Gabriel dos Santos (PSD) cobrou o funcionamento das câmeras de monitoramento instaladas pela administração municipal em vários pontos da cidade. “A prefeitura precisa tomar providências”, afirmou ao lembrar os assaltos ocorridos na passarela que dá acesso ao bairro Nova Arujá, onde reside. “O número de policiais em Arujá é o mesmo há 30 anos. E não adianta falar com o comando aqui. Temos de falar direto com a Secretaria Estadual”, pontuou. O pessebista Wilson Ferreira da Silva, o Dr. Wilson fez coro às reclamações do colega, principalmente, em relação à atuação do comandante da polícia militar no município. “Ele não tem vocação para trabalhar com segurança pública. Atende mal a população e atende mal as autoridades”. Dr Wilson chamou a atenção da Prefeitura no que diz respeito à estruturação da Guarda Municipal. “Não adianta investir R$ 1 milhão em câmeras se não tem funcionários para monitorar”.

Líder do governo na Casa, Reynaldo Gregório Junior (PTB), o Reynaldinho, disse que a bancada do PTB formada também pelo vereador Edvaldo de Oliveira Paula, o Castelo Alemão, apresentou anteprojeto de lei para criação da Secretaria Municipal de Segurança Pública. A proposta contou com a participação do vereador Julio Taikan Yokoyama (SD), o Julio do Kaikan, em sua elaboração. Segundo ela, a criação da pasta é uma medida eficiente para se combater os problemas na área pois permite ação conjunta dos entes federados – município, Estado e União. No projeto, os três vereadores indicam a necessidade de criação da Ouvidoria, da Defesa Civil e da Brigada de Incêndio. Castelo Alemão sugeriu a realização de audiência pública específica sobre segurança.

O petista Renato Bispo Caroba (PT) cobrou resultados mais efetivos da relação política e institucional estabelecida entre a Prefeitura e o governo estadual. “Não é possível que isso (relação) não permita que se cobre providências. Afinal, é o mesmo governo há 20 anos e a segurança está ruim, não apenas aqui, mas em vários municípios”, afirmou.

Rogério Gonçalves Pereira (PT), o Rogério da Padaria, defendeu plano de carreira e aumento de efetivo da Guarda. “Também precisamos fazer a lição de casa. A lei federal dá poder de polícia à Guarda, mas como faremos segurança tendo 38 funcionários e ainda sem arma. É claro que os ladrões vêm para cá. Aqui é mais fácil assaltar”.

Cidade vista da região do Arujá -América 1Também indignado com a situação da cidade, Márcio José de Oliveira (PROS) disse que a solução está no investimento em monitoramento eletrônico e na integração das polícias.

Câmara de Arujá
Assessoria de Comunicação
4652-7015
Publicada em 19/12/2014