Moção de Dr. Wilson reacende debate sobre situação da segurança pública em Arujá

14set
image_pdfimage_print
A moção de apelo nº 202/2015 de autoria do vereador Wilson Ferreira da Silva (PSB), o Dr. Wilson, reacendeu, na sessão ordinária de 31/8, o debate sobre a onda de violência que afeta os diversos bairros em Arujá. Na propositura, o parlamentar solicita à Polícia Militar e à Guarda Municipal o reforço do policiamento nos bairros Jardim Pinheiro e Mirante, onde foram registrados cinco assaltos em apenas um supermercado, sendo que o último resultou em morte. No entanto, a presença de moradores do Jardim Fazenda Rincão no plenário e a ocorrência de arrastões na área comercial do Parque Rodrigo Barreto fizeram com que as manifestações dos parlamentares se caracterizassem pelo reconhecimento de que o problema está generalizado e há necessidade de mais investimentos para melhorar as condições de segurança na cidade.

Vereadores querem mais investimentos para conter violência

“A sensação de insegurança é enorme no Jardim Pinheiro, no Mirante, no Rincão e em várias outras regiões de Arujá. Penso, sinceramente, que precisamos parar de ficar esperando o Estado. O município precisa agir. A prefeitura fez concurso para a Guarda Municipal, mas o processo está parado e daqui a pouco fará aniversário”, apontou Dr. Wilson.
Para o petebista Edvaldo de Oliveira Paula, o Castelo Alemão, a situação é ainda mais grave. “O problema de segurança é muito maior do que realmente parece. Afeta todos os bairros. E somente a convocação dos guardas municipais aprovados em concurso não adiantará, pois o crime organizado está armado e a nossa guarda só dispõe de cassetetes e algemas”, lamentou. Ele também defendeu a criação de um Batalhão específico para Arujá e Santa Isabel, separado da jurisdição de Guarulhos.
Márcio José de Oliveira (PROS), o Dr. Márcio, foi enfático: “A Guarda precisa ser melhor estruturada, qualificada e armada para que possa dar a resposta necessária. No entanto, uma solução urgente, ainda que paliativa, seria a regulamentação da atividade delegada, que poderia ser implementada em áreas de maior vulnerabilidade em parceria com a população.”
Na mesma linha, José Sidnei Schaide (sem partido), o Cocera Cabelo, defende que a Guarda seja armada e a Prefeitura elabore um plano efetivo de ação. “Estamos largados há muito tempo. O governo do Estado também está devendo, mas deveríamos já ter nos preparado para armar a guarda desde 2010”, afirmou. Lei Federal nº 13022/2014 sancionada pela presidenta da República, Dilma Rousseff, em 2014, garantiu poder de polícia às Guardas dos municípios e possibilidade de utilização de arma.

Público durante sessão de 31/8

Renato Bispo Caroba e Rogério Gonçalves Pereira, o Rogério da Padaria, fizeram coro às críticas contra o governo do Estado. “As polícias Civil e Militar são de responsabilidade do governo estadual e estão completamente sucateadas. Estamos defendendo que o município assuma responsabilidades devido à falta de ação do governo estadual”, salientou Caroba. “O pior é que o secretário (Estadual de Segurança Pública) afirmou que os índices caíram. Só se for no condomínio onde ele mora”, ironizou Rogério da Padaria que também cobrou ações preventivas da Prefeitura. “O Jardim Pinheiro é mal iluminado. Segurança também é iluminação. Onde há mais claridade, há menos riscos, mas aqui, a solução dos problemas de lâmpadas queimadas virou jogo de empurra entre a Elektro e a Prefeitura”. Desde julho, a Prefeitura de Arujá assumiu a manutenção do parque luminotécnico da cidade. Rogério também apelou à população para que registre boletim de ocorrência. “É preciso que as pessoas registrem BO, inclusive, via internet. Pois as estatísticas se baseiam nestas informações.”

Sede da Guarda Municipal em Arujá

“Nem os condomínios estão livres de assaltos”, disse Gilberto Daniel (PRB), o Gil do Gás, ao rebater pronunciamentos dos colegas que destacaram a melhor infraestrutura de segurança existentes nestes espaços residenciais. “Houve assalto a comércios na rua da companhia. A Polícia não tem estrutura para atender. Defendo a criação da Secretaria de Segurança Pública para minimizar a situação”. A proposta já foi apresentada na Câmara por outros parlamentares.

Sebastião Vieira de Lira (PSDC), o Paraíba Car, disse que a situação de Arujá “é uma vergonha” não apenas na área de segurança. “Moção não irá resolver. O que resolve é ação”. Ainda assim ele votou favorável à propositura do colega.

Abel Franco Larini (PR), o Abelzinho, fez contraponto e reforçou a importância da cobrança feita por Dr. Wilson. “Sua moção tem muita valia, pois não estamos tendo respostas do Estado, por exemplo, no que se refere ao aumento do contingente”, reconheceu. Maria Lúcia de Souza Ribeiro (PTB), a Lúcia Ribeiro, se mostrou solidária à população e diz que o município “passa por momento crítico”.
Gabriel dos Santos (PSD), líder do Governo na Casa, garantiu que a questão do concurso público destinado à contratação de mais guardas municipais será resolvida. “Será dada a devida sequência aos trâmites, sem arquivamento ou anulação do processo”, informou. A moção foi aprovada por 13 votos.

 

Leia mais:

Lei regulamenta atuação das Guardas Municipais

Parlamentares defendem criação de Secretaria de Segurança Pública

 

 

Câmara de Arujá
Assessoria de Comunicação
4652-7015
imprensa@camaraaruja.sp.gov.br
Publicada em 14/09/2015